segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Tomar banho pra que? Não precisa, tá chovendo hoje...

.
Karina deixa a sala aonde estava com a família hospedeira, pega a sua toalha de banho e sobe as escadas para o andar de cima da casa.
Então, o pai hospedeiro pergunta-lhe: "_ aonde você vai? "
E Karina responde: "_ eu vou pro banheiro,  tomar o meu banho".
E então, o pai hospedeiro retruca: "_ não precisa, está chovendo hoje."

Parece piada?
Pois é, mas ele estava falando sério....

Uma das coisas que os brasileirinhos estranham neste nosso mundo afora diz respeito a higiene pessoal (dos outros). Outra coisa que deixa brasileiro de cabelo em pé é a falta de organização, de arrumação, de limpeza das casas neste mundão.
Vamos por partes pra por toda a sujeira em dia:

a) o banho
Nós, brasileiros, aprendemos com os índios a tomar banho todos os dias e as vezes, mais de uma vez por dia.

Mas se você pegar pra ler qualquer manual de boa convivência no exterior, de boas maneiras, lá estará escrito que os nativos daquele país tomam banho todos os dias, usam desodorantes, cortam as unhas e etc

E não é tanto o banho que vai lhe causar a surpresa, mas a ausência dele. Você vai descobrir que qualquer acontecimento é motivo pra deixar o banho pra outro dia:
- se estiver chovendo, é um bom motivo pra adiar o banho;
- se estiver muito frio;
- se estiver cansado;
- se tiver muita coisa pra fazer ainda;
- se a caldeira não esquentou a água;
- se o intercambiário passou muito tempo no banho e a água aquecida acabou e a família toda teve que suspender o banho por conta disso;
- pode ser que hoje seja o fim do mundo;
- pode ser que faça mal a pele;
- é criança e criança não precisa tomar banho todo dia;

Já ouvi intercambiários contarem que enfiaram os irmãos embaixo do chuveiro e deram banho por não aguentar o cheiro deles.

Os intercambiários costumam reclamar mais dos hábitos de higiene dos norte-americanos do que dos europeus.
De uma forma geral, o banheiro americano só tem um ralo (o que fica dentro da banheira), e o box é uma cortina plástica presa por ganchos. Durante o banho, os americanos têm o hábito de colocar a barra da cortina plástica para dentro da banheira, para que não escorra água pelo chão. Alguns banheiros americanos são carpetados e seria péssimo molhar o carpete. Os intercambiários tem um certo nojo nos primeiros banhos, mas depois se acostumam. O que acontece é que o ralo da banheira costuma ser lerdinho para a vazão da água e aquela água fica em contato com sua pele, o plástico da cortina não é exatamente uma flor de formosura de limpeza e o chuveiro pode estar instalado muito baixo e isso te obriga a tomar banho sentado na banheira.
Note que americanos não tem o tanque, então, o chuveiro, a banheira, a pia do banheiro e a pia da cozinha são usados para absolutamente tudo, pra lavar tudinho.
Se você já prestou atenção naquele filme infantil "Os Incríveis", vai ver que a mãe (a mulher elástico, que eu não lembro o nome dela agora) está dando banho no bebê na pia da cozinha. Isso é um hábito comum. Na pia da cozinha se faz de tudo: lava-se pratos e o gato, numa boa. Também, se sua mãe hospedeira tiver que dar um jeito rapidinho nos cabelos e o banheiro estiver ocupado, ela, sem cerimônia, lavará a cabeça na pia da cozinha.
A forma como a maioria dos americanos lava os pratos, a louça, também causa um certo asco (um eca!), mas como eu já disse, você se habitua e faz igualzinho depois de um tempo: que é lavar os pratos todos na mesma água e repassá-los depois todos numa outra mesma água. Finge que você não viu isso e esquece.


Já, os europeus são mais sutis. Os mais caros e melhores perfumes do mundo são os europeus justamente porque banho, ou  a ausência de, também é algo que se vê na cultura européia, de uma forma generalizada.
É comum as famílias hospedeiras pedirem aos intercambiários que abram a água pra se molhar, fechem, se esfreguem e se ensaboem e depois reabram a água pra se repassar.
Também é comum você ver algumas toalhinhas ou luvinhas nos banheiros europeus. Elas servem para, umedecidas, lavarem as partes íntimas.
Um intercambiário, quando na França, me disse que ao ver a conta de água no valor de 1000 euros da família hospedeira, passou a seguir o que a família fazia: tomava banho dia sim, dia não. Ele me disse que a família sempre o deixou a vontade para seguir seus hábitos e tomar banho todos os dias, mas ele não achou justo para com a família, não se sentiu a vontade quando via a família hospedeira economizar tanto.

Uma outra coisa que surpreende brasileiros no exterior é que: troca-se de roupa quando a roupa estiver suja e não quando estiver fedida. Roupa fedida não é roupa suja. Roupa fedida é roupa fedida. Enquanto não está suja, dá pra usar. Por este motivo, alguns dos seus amigos, vão feder! Entendeu?
Acho que nem preciso falar sobre escovar os dentes... dá pra deduzir né!

Lembre-se: isto é um segredo nosso. Qualquer manual estrangeiro vai dizer exatamente o contrário do que eu disse acima, ok?

Escovar os dentes é mais ou menos assim também. Certa vez, um intercambiário me disse que o irmão americano "o subornava" para que ele não contasse a mãe hospedeira que este não escovava os dentes.

b) Cuidado com os bichos:
Nós pagamos uma loja  pet pra dar banho no nosso cachorro, de vez em quando, pelo menos uma vez por mês.
Pois saiba, isto é um outro hábito brasileiro. Por aí, no mundão, o que se vê: ninguém manda o cachorro tomar banho, e sim, se dá o banho no cachorro em casa.
Logo, pode demorar bastante entre um banho e outro.
Algumas casas/famílias tem apenas 1 ou dois bichos de estimação. Mas tem aquelas que adoram animais e tem de todo tipo, tamanho e váaaaaarios.
Se o bicho de estimação da família hospedeira não foi com a sua "fuça", uma forma de conquista-lo seria dando-lhe um belo banho cheiroso.

c) Limpeza de ambientes:
Os casos mais críticos são os lares americanos e neozelandeses. Pelo menos, foram desses países que os intercambiários reclamaram mais.
China e Japão, o problema é outro: não é exatamente desorganização, longe disso, mas é o uso do mesmo ambiente pequeno para muitas coisas. Por exemplo: o quarto não é usado somente como quarto. E isso tem a ver com espaço disponível.

Norte-americanos não têm nenhuma preocupação com limpeza. Você jamais vai ver um americano limpando vidros ou janelas de suas casas. Se você quiser limpar, o seu quarto ficará bem mais claro.
Uma vez, uma intercambiária se irritou tanto com a sujeira na casa, e enquanto todo mundo estava fora, fez a limpeza na casa. Quando o pai americano chegou em casa, disse a ela: "-Nossa, compramos geladeira nova e eu nem sabia".  e a intercambiária disse: "- não senhor, eu limpei a geladeira, a geladeira velha". Idem para o carro, você encontrará de tudo dentro de um carro, um pouco de cada coisa, distribuído de todo e quanto é jeito.
Tive uma intercambiária que disse que toda mulher brasileira deveria fazer um estágio nos EUA para parar de ser neurótica com limpeza de casa.
Eu tinha um intercambiário que vivia reclamando da desorganização da família hospedeira. Um dia eu disse a ele: vai fazer lição cada dia com um amigo e na casa deles. Vamos ver se você continuará a reclamar da higiene da sua família hospedeira. Ele fez isso e nunca mais reclamou de nada durante todo o intercâmbio.

A empregada doméstica é da nossa cultura. Na maioria dos países e principalmente nas casas hospedeiras, não se tem uma empregada doméstica: as tarefas são divididas entre os membros da casa e isto inclui você, o intercambiário (você não é uma visita).
Normalmente a limpeza é feita com um aspirador de pó e colocando coisas em seus lugares. Mas isso normalmente acontece uma vez por semana. Então, pode ser que na sexta-feira, ainda tenha resto de comida na mesa da sala, se sua família hospedeira só faz a limpeza no sábado com a família toda reunida.
E não pense que a faxina demora o dia todo. Em uma hora está tudo limpo. Note: limpo do jeito deles.
Esta mania de limpar tudo, todo dia e toda hora, é coisa nossa, por conta do baixo custo da empregada doméstica. Esquece isso quando decidir ir para o intercâmbio.

Já tive intercambiários que ficaram chocados porque na família hospedeira na Nova Zelândia, os quartos eram divididos com cortinas e não paredes. Era um estilo de vida a ser respeitado e pronto!
Então, desencana!
Na Austrália, por exemplo, eles não tem hábito de matar baratas. Assim como nós não matamos as abelhas a chineladas, eles não matam baratas. Eles ignoram a barata e pronto. Euzinha aqui jamais poderia viver num lugar assim: já teria morrido do coração.

Você só deve reclamar de algo durante o seu intercâmbio se isto for algo que fere os seus princípios de honestidade, caráter, respeito, os seus valores, o que é ético pra você. Essas coisas não mudam de cultura pra cultura. O restante, você se adapta e leva no bom humor!

E arruma coisas mais importantes pra fazer, ok?
Pode ser?

Um comentário:

  1. Jesus... Eu teria muita dificuldade em fazer intercâmbio. Não sou neurótica com limpeza, mas banho e limpeza da casa são hábitos diários pra mim.
    Tiro a poeira dos móveis, varro e passo um pano úmido para dar brilho no piso, depois tomo um banhão bem demorado e perfumado. Impossível ignorar isso.

    ResponderExcluir

Obrigada pelos seus comentários e considerações. Entraremos em contato em breve.