sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Parte 7 - Revalidação - e o conteúdo das matérias é a mesma na escola no exterior?



e vamos dar continuidade com o nosso bando de dúvidas...   mas ainda a nível de colegial/ensino médio/high school....







E o conteúdo, a matéria, é a mesma que é ensinada aqui é a mesma que é ensinada lá? Mas e o vestibular?

Vamos pensar o seguinte:

- se você, no Brasil, decidir mudar de escola, vai sentir diferença no conteúdo da mesma matéria, na mesma série, em outra escola.
- e aqui estamos falando exatamente da mesma série, sob as mesmas leis.
- que dirá quando você muda de país.
- então, sim, haverá a diferença de conteúdo.

Se estivermos falando de alguns países, tais como:

- Nova Zelândia, Austrália, Europa de uma forma geral...
- vaga em universidade, nestes países é bastante concorrida, disputada. Proporcionalmente falando tem poucas universidades para uma população jovem grande. E a concorrência para cada vaga é bem grande;
- o que habilita ou não um estudante daquele país a ingressar na universidade é exame ou exames;
- por conta disso, as escolas a nível de ensino médio nesses países tem um conteúdo similar ao nosso aqui no Brasil; - se compararmos com nossas escolas particulares, são escolas puxadas e os nossos intercambiários "penam" pra acompanhar a matéria em alguns casos; 
- alguns intercambiários de diversas nacionalidades se juntam para estudar em grupos para um melhor resultado na matéria;
- algumas escolas estrangeiras optam por não exigir tanto dos intercambiários e desenvolvem um critério de avaliação diferenciado na hora de fazer o boletim do intercambiário, como por exemplo, assiduidade, interesse, participação, a disposição em aprender, a simpatia, e etc;
- já vi estudantes brasileiros que aqui tinham notas escolares excelentes precisando de ajuda e reforço na escola na Austrália, por exemplo;
- então, concluímos que assim como no Brasil, nestes países aonde um exame ou exames qualifica ou não o aluno para ingressar em uma universidade, nesses países, as escolas são "mais puxadas" e o conteúdo tem alguma semelhança com o conteúdo de Brasil.
- Obviamente que Língua Portuguesa, Literatura Brasileira, História do Brasil, Geografia do Brasil...este tipo de disciplina só se encontra na escola daqui.

Se estivermos falando de alguns países, a exemplo de Estados Unidos,  a história é outra:

- o americano não tem preocupação com exames que classificam para ingressar em universidades; simplesmente porque eles não tem esses exames, não precisam passar por isso;
- nos EUA,  mesmo as universidades públicas, são pagas. Não tem a gratuidade;
- as universidades são muitas  e  caras;
- uma coisa que os americanos tem muito e nos não temos, é o tal do college. O college é uma espécie de faculdade, um curso técnico de 2 anos. O aluno americano, ao terminar o college, ele se torna uma espécie de tecnólogo; 
- E lá, tem curso de técnico pra qualquer coisa... enquanto aqui no Brasil, o pedreiro aprende a profissão com alguém, lá ele faz um curso técnico pra virar o pedreiro, vira uma espécie de técnico em edificações;
- e é assim pra tudo;
- esse tipo de college - tem muitos e é barato;
- esses colleges situam-se ao redor de grandes universidades;
- e estas universidades mantém acordos com esses colleges e aceitam esses alunos do college;
- esses alunos, ao ingressar nas universidades conveniadas, eliminam matérias e as vezes conseguem "pular" um ou dois anos de curso universitário;
- o que habilita o aluno a ingressar num college e depois na universidade é o seu passado escolar. A análise do histórico escolar permite ou não o ingresso do aluno num college ou numa universidade;
- baseado em tudo isso, o equivalente ao ensino médio americano não tem como objetivo preparar alunos para exames e sim "preparar para enfrentar a vida";
- na high school americana, o nosso estudante encontra todo tipo de matéria e vai desde "como ter sucesso no casamento" até Literatura a base de Shakespeare;
- os nossos estudantes costumam considerar fraca a escola americana;
- americanos usam a calculadora para fazer contas básicas. Talvez isto explique porque eles erram tanto em contas;
- mas o raciocínio é o seguinte: se é este aparelhinho chamado calculadora que iremos usar a vida toda, então é matemática na calculadora científica que temos que aprender (simples assim);
- já teve brasileiros que foram na expectativa de uma escola fraca, e se estrumbicaram;
- o conteúdo de uma escola americana jamais vai ter algo a ver com o nosso conteúdo aqui no Brasil, por tudo o que eu expliquei acima;
- muitas escolas americanas permitem que o estudante de high school (o intercambiário) participe da formatura e receba um diploma.


Mas, a pergunta é: por que você quer que o conteúdo das disciplinas de lá do seu país de intercâmbio seja o mesmo que o conteúdo da sua escola aqui do Brasil?

Tem uma coisa que eu não entendo no brasileiro: a pressa em prestar vestibular, a pressa em passar no vestibular, a pressa em iniciar uma universidade e a pressa em terminar uma universidade. Por que decidir desta forma a sua profissão, o seu futuro?


No próximo post:








h) e que documento tenho que trazer na volta?

i) a minha escola do Brasil é obrigada a me aceitar de volta?
j) mas e se eu conseguir um diploma no exterior? Posso usar aqui:
k)Por que o brasileiro tem tanta pressa em prestar vestibular, decidir a universidade e decidir profissão?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelos seus comentários e considerações. Entraremos em contato em breve.