quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Fyi --> high school - idioma alemão

Você conhece bastante do idioma inglês? Ou está estudando o idioma alemão? Quer ter uma terceira língua...
Sugiro um dos destinos abaixo.


Alemanha:
 A Alemanha é considerada o berço do intercâmbio. Tudo começou no pós-guerra quando países amigos passaram a receber as crianças órfãs alemãs que perderam seus pais durante a guerra. O povo alemão costuma sair muito para fazer intercâmbio e ao receber o intercambiário no seu país sabe exatamente quais são as situações pelas quais passa um estudante de intercâmbio. E é essa condição de empatia que faz da Alemanha um dos melhores países para uma experiência de high School. Existem muitas faces da Alemanha: a moderna, a industrial, artística, as de tradições científicas, das montanhas e das românticas vilas. Com economia forte e grande contingente de jovens, a Alemanha tem uma extensa rede universitária, cujo forte está nas áreas de Engenharia, Tecnologia e Humanas.
Os estudos são levados seriamente, mas o jovem alemão sabe bem como se divertir.
Os adolescentes alemães são independentes e o intercambiário será tratado com um adulto e isto significa liberdade, mas também significa mais responsabilidade. Com relação a escola, os estudantes estudam muito em grupos e ser ativo durante as aulas é tão importante quanto ter boas notas ou ter bons resultados nos exames. As escolas oferecem algumas atividades como esportes após as aulas. O alemão é o segundo idioma europeu mais falado. O esporte na Alemanha é mais difundido do que em
qualquer outro país europeu. O futebol é o esporte nacional. Existe a possibilidade de escolher a região, desde que se forneça ajuda de custo à família hospedeira.



Áustria:
Os adolescentes austríacos têm oito anos de high school. Se o estudante tem algum conhecimento de alemão, isto será ótimo, mas não é obrigatório para fazer o high school na Áustria. 

A Áustria é provavelmente conhecida pela música clássica e pelo esqui alpino.  

O povo é bastante comunicativo, tornando o aprendizado do idioma mais fácil para os estudantes. Próxima a lagos, florestas e montanhas, a Áustria oferece uma grande variedade de atividades.

A coordenado geral da Áustria fez  o programa de high school dela no Brasil e faz colocações em famílias e escolas de uma maneira ímpar.





Suíça:

A Suíça misturou um pouco das culturas alemã, francesa e italiana para criar uma cultura muito interessante, enriquecida pelas paisagens das montanhas Alpinas.
O turismo é um dos setores mais importantes da economia do país, oferecendo paisagens únicas, qualidade de atendimento e muita aventura. Além da natureza, as cidades medievais suíças atraem turistas do mundo inteiro. O sistema educacional suíço, um dos melhores do mundo, baseia-se no princípio de que não existe sucesso econômico e social para um país sem um sistema de formação bem-estruturado, sólido e completo. O colegial (ensino médio) tem duração de quatro anos e o sistema escolar suíço é bastante tradicional. Um estudante interessado em passar um ano na Suíça deve estar ciente da dificuldade das aulas e deve ter um bom passado acadêmico. As famílias na Suíça são um tanto rígidas. A educação das crianças tem a prioridade para a maioria das famílias. Após as aulas, há todos os tipos de esporte; os estudantes podem participar em clubes (futebol, basquete, voleibol, luta romana, etc.); há possibilidades de o estudante frequentar aulas de arte, teatro, etc.


Acomodação:
Todos os destinos acima são feitos com acomodação em famílias hospedeiras: As famílias são rigorosamente selecionadas e, mais do que abrir as portas da sua casa, abrem seus corações para receber o estudante como parte da família. As famílias são voluntárias e não recebem nenhuma ajuda de custo. A expectativa dessas famílias em viver essa experiência intercultural é tão grande quanto a dos intercambistas.

As escolas
As escolas são públicas e não cobram do estrangeiro.
O ano escolar começa em agosto/setembro de um ano e termina em junho do ano seguinte.

O estudante que embarca em agosto:
-  pode ficar um semestre; ou
-  pode ir por um semestre e prorrogar pra mais um semestre;
-  pode ficar durante um ano letivo.

O estudante que embarca em Janeiro:
-  possível ficar um semestre letivo e normalmente não é possível prorrogar;
- prorrogações são estudadas caso a caso.

A revalidação dos estudos no exterior:
Desde que o estudante frequente as aulas normalmente e tenha notas aprobatórias, terá seus estudos convalidados no Brasil. Com isso, o estudante não perde o ano escolar aqui no Brasil.


É comum a pergunta:
“Nossa, eu vou ter que assistir aula em alemão... e eu vou conseguir tirar notas?”

Alguns países, como por exemplo, Alemanha e Áustria, professores e diretores de escolas são bem pacientes com os brasileiros num começo de ano escolar. É comum, nos primeiros três meses de intercâmbio, a avaliação da escola se preocupar em ver se o estudante tem interesse nas aulas e em aprender o idioma, se tem frequência, se é prestativo, se pede ajuda, se sorri e se tenta fazer o seu melhor. E a avaliação é feita baseada neste comportamento. Enquanto isso, o estudante vai melhorando o nível de aprendizado do idioma e se sentirá mais confortável nos próximos meses de aulas.  E a partir daí, os professores começam a exigir um pouco mais do aluno brasileiro, nas aulas, nas provas, na participação nos trabalhos.

Uma outra coisa que eu acho que facilita muito a adaptação na escola e que algumas escolas permitem, é a possibilidade de trocar matérias por aulas de alemão em outras séries. Por exemplo: você pode trocar aula de Filosofia por aula de gramática de alemão em outra série; ou aula de grego por aula junto com as crianças que estão sendo alfabetizadas.

Esta situação não se aplica a Suíça: para ir para um intercâmbio na Suíça você precisa estar estudando alemão nos últimos 3 anos pelo menos e precisa gostar de estudar.

Este tipo de intercâmbio precisa ser feito através de uma organização parceira alemã com registros específicos do governo e com autorização para realizar esse tipo de intercâmbio e cumpre lembrar que trabalhamos com organizações parceiras alemãs confiáveis e tradicionais.
Uma outra característica é que as famílias são voluntárias e a escola pública, e desta forma o estudante não escolher a cidade e escola. Dado o custo X benefício deste tipo de programa, as vagas são limitadas e se esgotam rapidamente.
O tempo máximo de programa que é permitido é de um ano letivo.


Já embarquei muita gente para países de idioma alemão, principalmente Alemanha e Áustria. E o curioso, é que quase nenhum desses adolescentes chegou em meu escritório procurando por esses países. Os adolescentes procuravam qualquer coisa, mas não por Alemanha e Áustria.







Certa vez, sentou um menino na minha frente, chamado Felipe. Ele queria ir para um país X. Conversando com Felipe, vi que eu tinha um adolescente maduro, educado, sonhador, que tinha um excelente nível de inglês e adorava futebol.

Diante disso, percebi que ele não se daria bem no país X e sugeri Alemanha.
Felipe levou um susto e pediu uns dias para pensar na minha proposta. Durante esses dias, ele me fez todo tipo de pergunta:
- alemão é muito bravo?
- e se eles não gostarem de mim?
- e se eu não conseguir acompanhar a escola? E se eu não tirar notas e repetir na escola brasileira?
- e o frio, lá tem neve, não sou chegado em frio....
Fui respondendo às  perguntas e deixei Felipe muito a vontade. E eu disse a ele: “ Se você quiser ir para o país X, eu respeitarei sua vontade, óbvio; mas o teu país de intercâmbio é a Alemanha”.
Felipe se inscreveu para o high school na Alemanha e entrou para o curso de alemão. Na ocasião, ele arrumou um professor de alemão que tinha muito bom humor e isso ajudou-o a aprender o idioma mais rápido, pois combinamos que pelo menos o básico do básico ele precisava falar: banheiro, comida, dói aqui, etc... rsrs
Quando chegou na escola, sentia a dificuldade com a língua e conversou com o diretor. O diretor o colocou para assistir também aulas junto com as crianças que estavam sendo alfabetizadas em alemão... e Felipe virou tio da criançada.
Isto foi de extrema importância para aprender alemão mais rápido.
Felipe, com um sorriso largo que tem, conquistou a todos na escola, todo mundo queria ajudar Felipe a aprender alemão e se dar bem na escola. Obviamente que as primeiras palavras que aprendeu foram os tais “palavrões”.
Entrou para o time de futebol da cidade e todo mundo adorava ver Felipe jogar.
A família hospedeira foi de extrema importância no intercâmbio de Felipe, uma família acolhedora e que ajudava em tudo.
A mãe hospedeira não sabia inglês e este fato fez com que Felipe se virasse para aprender a falar alemão com a mãe.
Todo dia pela manhã, a mãe perguntava a ele em alemão, o que ele queria comer no café da manhã. E ele respondia: sucrilhos (cereais). Ou  pelo menos, Felipe achava que estava respondendo isso.
Um belo dia, a mãe explicou pra ele, a diferença de pronúncia entre cereais matinais e órgão sexual feminino.
E Felipe descobriu que durante uns tempos, a resposta que ele deu à pergunta da mãe não foi exatamente sucrilhos.
A família hospedeira de Felipe levou-o para conhecer vários países pela Europa, como Grécia e todo o Reino Unido.
E Felipe passou a ter duas famílias neste mundão para toda a sua vida.

E são centenas de histórias que temos pra contar. Quer ouvir mais?
http://fyi-intercambios.com.br/contato/








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelos seus comentários e considerações. Entraremos em contato em breve.